Patrocínio:



Apoio:

SUS Ministério da Saúde SBN SBC DHA anad





releases

Doença do sono aumenta os riscos de hipertensão

\"advice\" \"sbh\"

Doença do sono aumenta os riscos de hipertensão

Segundo estudos recentes, cerca de 40% dos indivíduos com hipertensão arterial apresentam a síndrome da apnéia obstrutiva do sono

Sabe aquele ronco que segue um mesmo ritmo, vai ficando mais alto, e de uma hora para outra é interrompido por um período de silêncio, quando a pessoa fica totalmente sem respiração, voltando logo depois ao ritmo inicial? Com certeza você já deve ter presenciado este fenômeno, seja na sua casa ou dormindo na casa de amigos. Pois este processo é chamado de apnéia obstrutiva do sono, doença que atinge aproximadamente sete em cada 100 indivíduos, cuja incidência é maior no sexo masculino. Dados recentes mostram que aproximadamente 24% dos homens de meia-idade e 9% das mulheres são afetados pela apnéia, sendo 16% para as formas leves a moderadas da doença e 7,5% para as graves.

Porém, o que pouca gente sabe é que as pessoas com apnéia estão muito mais sujeitas a desenvolver a hipertensão. Cerca de 40% dos indivíduos com hipertensão possuem a doença. Isto acontece porque a faringe, ao relaxar durante o sono, torna estreita a passagem de ar, provocando as vibrações típicas do ronco, até se fechar completamente e interromper o fluxo respiratório temporariamente. Numa reação de defesa, o organismo libera adrenalina, que contrai os vasos, restringindo assim o espaço por onde o sangue circula. Como o volume sanguíneo precisa correr por vias contraídas, há o aumento da pressão.

No início, esse aumento ocorre apenas durante o sono, mas com o tempo pode passar a ser uma rotina. Por isso, a medição da pressão arterial é ainda mais importante nas pessoas com apnéia. E aqui começa mais um problema. O indivíduo que ronca e interrompe a respiração, muitas vezes nem percebe o sufoco pelo qual passa enquanto dorme, pois com a apnéia ele não respira da maneira correta e o corpo acaba não conseguindo descansar como deveria.

Há ainda um outro fator importante. “A pessoa com apnéia do sono apresenta maior variabilidade da pressão arterial, cujo aumento está ligado à lesão dos órgãos-alvo (coração, cérebro e rim)”, afirma Artur Beltrame Ribeiro, presidente da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH). A CPAP - pressão positiva contínua nas vias aéreas – é o tratamento mais eficaz e com maior comprovação científica para a síndrome das apnéias obstrutivas do sono. A terapia com o CPAP, aparelho colocado no nariz do paciente durante o sono, consiste basicamente em manter abertas as vias aéreas, tornando-as permeáveis.

“Ao reduzir o número de episódios apnéicos noturnos, o tratamento com a CPAP pode atenuar os mecanismos que levam à elevação aguda e crônica da pressão”, destaca Ribeiro. Ou seja, o uso do CPAP reduz os níveis de pressão arterial em pacientes com apnéia, além de ser essencial também a perda de peso, a redução do consumo de álcool antes de dormir e adormecer em posições laterais.

Sobre a SBH: A Sociedade Brasileira de Hipertensão é uma Sociedade Civil sem fins lucrativos, que trabalha com o objetivo de estimular o intercâmbio de informações e a pesquisa (básica, clínica e epidemiológica) sobre a hipertensão arterial e as moléstias cardiovasculares entre cientistas e profissionais da saúde brasileiros. Ela incentiva jovens cientistas e médicos a desenvolverem pesquisas em hipertensão arterial, além de educar sobre os aspectos da hipertensão e as moléstias cardiovasculares. Promove ainda a detecção, o controle e a prevenção da hipertensão e outros fatores de risco cardiovascular na população brasileira.

Advice Comunicação Corporativa
Vinícius De La Rocha
Tel: (11) 5103-2779 / 8427-6974
Indira Lopes
Tel: (11) 5103-2779 / 8959-2890
vinicius@advicecc.com
www.advicecc.com



Voltar
Acesse o site da SBH no celular





A importância de cuidar de si
Destaque
Entrevista para Rede Vida com Dr. Francisco Habermann.